PORTUCÁLIA

Abril 19 2012

A poetisa Cecilia Meireles (1901-1964)  contou de uma forma linda e real a história da Inconfidência Mineira.  Ela escolheu os principais  episódios e persongens e colocou-os  dentro dos seus 85  romances.  Aqui, no entanto, a palavra "romance"  não tem o significado que geralmente se atribui como sendo a história em prosa e um pouco longa com enredo.  Exemplos como o romance "Brás Cubas" de Machado de Assis ou " Os Maias" de Eça de Queiroz.  Romace aqui  é mais curto e  altera a forma poética com a forma em prosa.  Personagens como Chico-Rei, Chica da Silva,Contratador Fernandes, Joaquim Silvério,, Sapateiro Capanema, Alferes Vitoriano, Padre Rolim, Cláudio Manoel da Costa, Inácio Pamplona, Juliana Mascarenhas, Marília de Dirceu, Bárbara Eliodora  surgem e são descritos nas suas ações e nos seus caracteres.   Se se tem uma  idéia da inconfidência os "romances" podem ser lidos fora de sequencia.  Pode-se escolher e ler e reler os que achar mais lindos. Eu, por exemplo, considero o Romance Iv ou da "Donzela Assassinada" e o Romance XXIV , Da bandeira da Inconfidência como os mais  lindos.   Por isto transcrevo logo abaixo o romance IV da Donzela Assassinada.  Leia-o com calma,  pela imaginação veja a donzela no terreiro de sua casa e, se for possivel, tenha pena de um amor que foi tão brutalmente desfeito. 

 

 

Romance IV ou Da Donzela Assassinada

 

“Sacudia o meu lencinho

para estendê-lo a secar.

Foi pelo mês de dezembro,

pelo tempo do Natal.

Tão Feliz que me sentia,

vendo as nuvenzinhas no ar,

vendo o sol e vendo as flores

nos arbustos do quintal,

tendo ao longe, na varanda,

um rosto para mirar.

 

“Ai de mim, que suspeitaram

que lhe estaria a acenar!

Sacudia o meu lencinho

para estendê-lo a secar.

Lencinho lavado em pranto,

Grosso de sonho e de sal,

De noites que não dormira,

Na minha alcova a pensar,

- porque o meu amor é pobre,

de condição desigual.

 

"Era no mês de dezembro,

Pelo tempo do Natal.

Tinha o amor na minha frente,

Tinha a morte por detrás:

Desceu meu pai pela escada,

Feriu-me com seu punhal.

Prostrou-me a seus pés, de bruços,

Sem mais força para um ai!

Reclinei minha cabeça

Em bacia de coral.

Não vi mais as nuvenzinhas

Que pasciam pelo ar.

Ouvi minha mãe aos gritos

E meu pai a soluçar,

Entre escravos e vizinhos,

- e não soube nada mais.

 

"Se voasse o meu lencinho,

Grosso de sonho e de sal,

E pousasse na varanda,

E começasse a contar

Que morri por culpa do ouro

- que era de ouro esse punhal

que me enterrou pelas costas

a dura mão de meu pai –

sabe Deus se choraria

quem o pudesse escutar,

- se voasse meu lencinho

e se pudesse falar,

como fala o periquito

e voa o pombo torcaz...

 

"Reclinei minha cabeça

Em bacia de coral.

Já me esqueci do meu nome,

Por mais que o queira lembrar!

 

"Foi pelo mês de dezembro,

Pelo tempo do Natal.

Tudo tão longe, tão longe,

Que não se pode encontrar.

Mas eu vagueio sozinha,

Pela sombra do quintal,

E penso no meu triste corpo,

Que não posso levantar,

E procuro meu lencinho,

Que não sei por onde está,

E relembro uma varanda

Que havia neste lugar...

 

"Ai, minas de Vila Rica,

Santa Virgem do Pilar!

Dizem que eram minas de ouro...

- para mim, de rosalgar,

para mim, donzela morta

pelo orgulho de meu pai.

(Ai, pobre mão de loucura,

que mataste por amar!)

Reparai nesta ferida

Que me fez o seu punhal:

Gume de ouro, punho de ouro,

Ninguém o pode arrancar!

Há quanto tempo estou morta!

E continuo a penar.

publicado por portucalia às 15:39

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



PORTUCÁLIA é um blog que demonstra para os nossos irmãos portugueses como o governo brasileiro é corrupto. Não se iludam com o sr. Lula.Textos literários e até poesia serão buscados em vários autores.
mais sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

17
20
21

22
23
24

29


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO