PORTUCÁLIA

Julho 29 2013

Há mais de 60 mortos e 220 feridos em Bagdá e outras regiões.
Comunidade xiita foi o principal alvo.

Da AFP

6 comentários
Moradores e policiais observam local de explosão de carro-bomba nesta segunda-feira (29) em Cidade Sadr, em Bagdá (Foto: AFP)Moradores e policiais observam local de explosão de carro-bomba nesta segunda-feira (29) em Cidade Sadr, em Bagdá (Foto: AFP)

Sessenta pessoas perderam a vida nesta segunda-feira (29) e mais de 220 ficaram feridas em uma nova onda de atentados em bairros de Bagdá, que, em sua maioria, contam com uma população predominantemente xiita.

Em Bagdá, 11 carros-bomba explodiram em nove bairros diferentes, dos quais ao menos sete eram de maioria xiita, e deixaram 34 mortos e mais de 130 feridos.

Em Cidade Sadr, bairro xiita de Bagdá, um carro-bomba explodiu em uma praça onde estavam reunidos operários em busca de trabalho. A explosão lançou pelos ares um micro-ônibus a mais de 10 metros de distância e destruiu as janelas de várias lojas, segundo um fotógrafo da AFP. Outra bomba que explodiu na região teve como alvo lojas de materiais de construção.

Outro carro-bomba explodiu em Mahmudiya, 30 km ao sul da capital, matando ao menos duas pessoas e ferindo outras 25.

Em Kut, uma cidade de maioria xiita 160 km ao sul de Bagdá.

Mais dois dois carros-bomba explodiram em Samawa, outra cidade xiita situada 280 km ao sul de Bagdá.

Mais um carro-bomba explodiu em Basra, cidade portuária do sul do país também de maioria xiita.

Desde o início de julho, a violência deixou mais de 780 mortos, o que eleva a mais de 3.000 o balanço desde o início do ano, segundo um balanço realizado pela AFP.

A violência piorou nos últimos três meses, retornando aos níveis de 2008 após a guerra civil entre sunitas e xiitas que deixou dezenas de milhares de mortos em 2006 e 2007.

O aumento da violência está vinculado ao ressentimento da população sunita, no poder sob o regime de Saddam Hussein, com a maioria xiita atualmente no poder e a quem acusa de praticar discriminações.

No ano passado tiveram início manifestações sunitas para exigir a libertação de suspeitos presos conforme uma lei antiterrorista que permite a sua detenção de maneira quase ilimitada.

A crise alcançou um pico no dia 23 de abril, quando as forças de segurança e os manifestantes, em sua maioria desarmados, segundo a ONU, se enfrentaram perto da cidade de Hajiwah (norte), deixando 53 mortos.

Ataques com bomba maciços e coordenados contra a população civil ocorrem uma ou duas vezes por semana em média, enquanto outros atentados, com alvos mais específicos, atingem diariamente as forças de ordem.

Grupos vinculados à rede extremista da Al-Qaeda são considerados, em grande medida, os responsáveis pelos atentados recentes contra civis, cometidos provavelmente com o objetivo de relançar a guerra civil, segundo observadores.

publicado por portucalia às 22:38

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



PORTUCÁLIA é um blog que demonstra para os nossos irmãos portugueses como o governo brasileiro é corrupto. Não se iludam com o sr. Lula.Textos literários e até poesia serão buscados em vários autores.
mais sobre mim
Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO