PORTUCÁLIA

Fevereiro 25 2013

Papa muda regras e Conclave pode ser antecipado

O Papa deu liberdade aos cardeais para anteciparem o próximo Conclave, cuja data será conhecida quando a Igreja entrar em Sé Vacante - o interregno entre a renúncia ou morte do papa e a eleição de seu sucessor - a partir de 1º de março, informou nesta segunda-feira o Vaticano.

 

A norma vaticana estabelece que o Conclave deve começar entre 15 e 20 dias depois do início da Sé Vacante, com o objetivo de permitir que todos os cardeais do mundo cheguem a Roma.

 

Mas, visto que muitos cardeais já se encontram na Cidade Eterna para acompanhar os últimos dias do pontificado de Bento XVI, o Papa aprovou um "motu proprio" (documento papal), que mantém essas datas, mas deixa em aberto a possibilidade de antecipá-lo.

 

"Deixo ao Colégio Cardinalício a faculdade de antecipar o início do Conclave se constar que estão presentes todos os cardeais eleitores, como também a possibilidade de adiá-lo caso existam motivos graves. No entanto, transcorridos 20 dias do início da Sé Vacante, todos os cardeais presentes têm que proceder a eleição", diz o "motu proprio" tornado público hoje pelo Vaticano.

 

Bento XVI com o documento "De aliquibus mutationibus in normis de electione Romani Pontefici", de junho de 2007 suprimiu algumas normas e impôs outras na Constituição apostólica "Universi Dominici Gregis", de 1996, aprovada por João Paulo II, sobre a eleição dos papas.

 

Agora com este "motu proprio", além de conceder a possibilidade de antecipação da data, também mudou alguns pontos como aumentar para oito (antes eram dois) o número de mestres de cerimônias, e que, se for o caso, os dois cardeais mais votados no Conclave não poderão votar, para evitar que um possa dar o voto para o outro e assim não ser eleito. Também foi incluída no juramento dos cardeais a pena da excomunhão caso violem o segredo da eleição do sucessor de Pedro.

 

Quanto ao restante, tudo segue segundo o previsto por Bento XVI na reforma de 2007: o próximo papa necessitará em todas as votações da maioria de dois terços dos votos dos cardeais presentes. Além disso, caso ocorra a simonia (compra de votos) todos os culpados serão excomungados, mas o voto será considerado válido.

 

Também está previsto que os cardeais eleitores deverão se abster de qualquer forma de pacto, acordo, promessa e outros compromissos que possam obrigá-los a dar ou negar o voto a outros. Se isso acontecer, o compromisso adquirido seria nulo e ninguém estaria obrigado a cumpri-lo. Os cardeais também não podem fazer capitulações antes da eleição.

 

Nenhum cardeal eleitor poderá ser excluído da eleição ativa ou passiva "por nenhum motivo ou pretexto", afirma a norma, embora o cardeal que tiver consciência de que não poderá participar da escolha ou estiver doente, pode não entrar na Capela Sistina, o lugar onde se elegem os sucessores de São Pedro.

 

Ainda resta saber a data. Pierluigi Celata, vice-camerlengo da Igreja Católica Apostólica Romana, disse hoje que teremos que esperar a decisão dos cardeais assim que ocorrer a Sé Vacante, que começará um segundo depois da assinatura da renúncia de Bento XVI ao pontificado, às 20h (horário de Roma) do dia 28 de fevereiro.

 

A primeira congregação de cardeais, segundo o porta-voz do Vaticano Federico Lombardi, será realizada no dia 1º de março e, a partir desse dia, poderão anunciar a data.

publicado por portucalia às 21:51

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



PORTUCÁLIA é um blog que demonstra para os nossos irmãos portugueses como o governo brasileiro é corrupto. Não se iludam com o sr. Lula.Textos literários e até poesia serão buscados em vários autores.
mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



26


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO