PORTUCÁLIA

Fevereiro 15 2013

XI PROGRESSO E ATRASO


Dadas as explicações do capitulo precedente, voltemos ao nosso memorando, de quem por
um pouco nos esquecemos. Apressemo-nos a dar ao leitor uma boa noticia: o menino desempacara
do F, e já se achava no P, onde por uma infelicidade empacou de novo. O padrinho anda
contentíssimo com este progresso, e vê clarear-se o horizonte de suas esperanças; declara
positivamente que nunca viu menino de melhor memória do que o afilhado, e cada lição que este da
sabida de quatro em quatro dias pelo menos e para ele um triunfo. Há porem uma coisa que o
entristece no meio de tudo: o menino tem para a reza, e em geral para tudo quanto diz respeito a
religião, uma aversão decidida; não e capaz de fazer o pelo-sinal da esquerda para a direita fá-lo
sempre da direita para a esquerda, e não foi possível ao padrinho, apesar de toda a paciência e boa
vontade, fazê-lo repetir de cor sem errar ao menos a metade do padre-nosso; em vez de dizer “venha
a nos o vosso reino” diz sempre “venha a nos o pão nosso”. Ir a missa ou ao sermão e para ele o
maior de todos os suplícios, isto faz que o padrinho desespere as vezes, e ate chegue a concordar
com a comadre em que o menino não tem jeito para clérigo; porem são nuvens passageiras; sempre
há isto ou aquilo que faz renascer todas as esperanças; e o homem caminha animado na sua obra.
O que ele porem esperava não esperavam todos, e ninguém via no menino senão um futuro
peralta da primeira grandeza; quem mais contava com isso era a vizinha do barbeiro, aquela a quem
ele chamava o agouro do pequeno. Era a tal vizinha uma dessas mulheres que se chamam de faca e
calhau, valentona, presunçosa, e que se gabava de não ter papas na língua: era viúva, e importunava
a todo o mundo com as virtudes do seu defunto. Serrazina e amiga de contrariar, não perdia ocasião
de desmentir o vizinho em suas esperanças a respeito do afilhado, declarando que não lhe via jeito
para coisa nenhuma, que não queria para coisa que lhe pertencesse o fim que ele havia de ter, e que
quando ele crescesse o melhor remédio era dar-lhe com os ossos a bordo de um navio ou por-lhe o
côvado e meio às costas. O barbeiro desesperava com isso; por muito tempo conseguiu conter-se,
porém um dia não pôde mais, e disparatou com a sujeita. Chegando por acaso à porta da loja, a
vizinha que estava à janela disse-lhe em tom de zombaria:
— Então, vizinho, como vai o seu reverendo?
Um velho que morava defronte, e que também se achava à janela, desatou a rir com a
pergunta.
O compadre foi às nuvens, avermelhou-se-lhe a calva, franziu a testa, porém fez que não
tinha ouvido. A vizinha pôs-se também a rir, percebendo o cavaco, e acrescentou
— Padre amigo do fado... tem que ver... Quando vai ele outra vez à casa dos
ciganos?
O velho defronte redobrou a risada. A vizinha continuou:
— Então ele já encarrilha o padre-nosso?
O compadre exasperou-se completamente; e estudando uma injúria bem grande para
responder, disse afinal:
— Já... já... senhora intrometida com a vida alheia... já sabe o padre-nosso, e eu o
faço rezar todas as noites um pelo seu defunto marido que está a esta hora dando coices no
inferno!...
— Hein?... o que é que você diz, senhor raspa-barbas? você mete terceiros na
conversa? disse a vizinha encrespando-se; olhe que esse de quem você fala nunca foi sangrador,
nem viveu de aparas de cabelos... Não se meta comigo que hei de lhe dizer das últimas e pôr-lhe os
podres na rua... Coices no inferno!!! ora dá-se? um santo homem... Coices no inferno... Pois agora
saiba, porque eu cá não tenho papas na língua, que o tal seu afilhado das dúzias é um pedaço de um
malcriadão muito grande, que há de desonrar as barbas de quem o criou... E não tem que ver,
porque ele é de má raça... já ouviu? não se meta comigo...
— E você, respondeu o compadre enquanto a vizinha tomava fôlego, por que se mete
com o que não é da sua repartição?
Ela prosseguiu:
— Hei de me meter; não é da sua conta, nem venha cá dar regras, que eu não preciso
de você...
— Mas o que tem você que entender com uma criança inocente que nunca lhe fez
mal?...
— Tenho muito, porque não me deixa parar os telhados com pedras, faz-me caretas
quando me vê na janela, e trata-me como se eu fosse alguma saloia ou mulher de barbeiro...
Digo-lhe e repito-lhe... aquilo tem maus bofes, e não há de ter bom fim...
— Está bom, senhora, respondeu o compadre que tinha bom gênio, e que só fora
levado àquele excesso pelo amor do afilhado; basta de rezingas, olhe a vizinhança.
— Ora, tomara a vizinhança ver-se livre do tal diabo...
O menino chegou nessa ocasião à porta, e pondo-se na ponta dos pés, esticando o pescoço, e
abanando-o como a vizinha e imitando-lhe a voz, repetiu:
— Ver-se livre do tal diabo...
O compadre achou tanta graça, que deu-se por vingado, e desatou a rir por seu turno.
— Ah! disse a vizinha, agradece a boa vontade, meu diabo em figura de menino; tu
não tens a culpa; a culpa tem quem te dá ousadias.
— A culpa tem quem te dá ousadias... repetiu o menino arremedando.
O compadre ria-se a perder.
A vizinha desesperada bateu com o postigo e recolheu-se, porém por muito tempo falou em
voz alta, de maneira que toda a vizinhança ouvia, dizendo quanto impropério lhe veio à cabeça
contra o barbeiro e o menino.
— O pequeno encheu-me as medidas, disse este consigo, vingou-me desta; agora
falta-me aquele velho de defronte que também a acompanhou na risota; mas não faltará ocasião.
Esqueceu-nos dizer que o barbeiro, apesar de ter sabido, pouco se importara com a prisão do
Leonardo, e referindo-se à causa da infelicidade deste, dissera apenas:
— É bem feito, para ele não se deixar arrastar para toda parte agarrado em quanto
rabo-de-saia lhe aparece.
Nem foi à cadeia visitá-lo, nem levar-lhe o filho para tomar a bênção, o que a comadre
muito reprovou quando soube.
O velho tenente-coronel, depois de ter posto na rua o Leonardo, informado miudamente,
como sabe o leitor, pela comadre do destino da Maria, decidiu tomar o menino sob sua proteção, e
acreditou que, se conseguisse felicitá-lo, lavaria seu filho do pecado de ter desonrado a Maria. Por
intermédio da comadre mandou oferecer ao compadre seu préstimo em favor do pequeno,
mandou-lhe propor até que o deixasse ir para a sua companhia. O compadre porém não esteve por
isso de modo nenhum, e até se prometeu aceitar para qualquer outra coisa a proteção do
tenente-coronel foi a instâncias da comadre.
— Não quero, dizia ele, que me roubem o gosto de tê-lo feito gente; comecei a
minha obra, hei de acabá-la.
— Homem, retorquira-lhe a comadre, você faz mal; olhe que o velho é homem de
representação; veja como ele com duas voltas e meia pôs o Leonardo na rua.
— Nada, não hei de dar o gostinho aqui a esta súcia da vizinhança; hei de eu mesmo
fazer a coisa por minhas mãos. Lá se o tenente-coronel quiser fazer alguma coisa por ele, aceito;
mas quanto a tirá-lo da minha companhia, isso nunca. Agora já é birra; hei de levar a minha avante

publicado por portucalia às 20:52

PORTUCÁLIA é um blog que demonstra para os nossos irmãos portugueses como o governo brasileiro é corrupto. Não se iludam com o sr. Lula.Textos literários e até poesia serão buscados em vários autores.
mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



26


pesquisar
 
blogs SAPO